15/05/2011

[HOMENAGEM] “CONHECE-TE A TI MESMO”


Pollack


Faça da pedra do tropeço, um degrau de subida. Transforme cada fato negativo, em uma experiência positiva.
Bruce Lee

Ludwing Van Beethoven, o maior compositor de música clássica, que homenageou Napoleão com uma Sifonia, e que aos 20 anos perdeu a audição, dizia que tinha paciência, pois todo o mal lhe trazia sempre algum bem.
Não a censuro por tão potente artigo, ou crônica se quisermos assim classificar este seu documento, porque você, mesmo num desabafo apoteótico, está pensando e nos ensinado algo. Sigmund Freud afirmava: “O pensamento é o ensino da ação” Se agora pensa assim, pão, pão, queijo, queijo, é porque chegou ao limite da sua paciência com alguma coisa que não quer sair de você. A partir de agora, pelo que entendi você vai dar a César o que é de César. Contudo, Jesus nos mostrou uma verdade que contraria as antigas leis: perdoar aos inimigos; ajudar a quem precisa; dividir com os mais necessitados aquilo que nos sobra; apresentar a outra face para o agressor usá-la...
Mas nós não somos Cristos! O seu “Chega” está impregnado de uma desilusão tão profunda que nos comove. Benjamim Disraeli nos chama a atenção: “A vida é muito curta para ser pequena”. Ninguém mais me tira o sono porque não concorda com o meu jeito de ser, de falar, de agir. Os erros do ser humano são comuns a qualquer ser humano. A instituição humana está sempre exposta a penas e sanções por causa dos seus erros, o importante é procurar acertar sempre. Ai está o ponto.
Osama Bin Laden, assassinado misteriosamente pela maior potência mundial, mesmo permanecendo no seu erro de matar pessoas inocentes com o terrorismo, tinha um objetivo. Como não podia confrontar com seus adversários de igual para igual, procurava chamar atenção do mundo para a sua causa, mas de maneira errada. Nem por isso a ele não se devia negar o direito de ser julgado num Tribunal com ampla defesa. E você não é um Osama Bin Laden. Todos nós sabemos que você é uma professora conceituada e segura naquilo que faz.
O que mais me impressiona no que você escreveu, tenha segurança no que digo, é a correção, a clareza, a concisão do texto. As insinuações embutidas pouco se me dão conta de que realmente você, a partir de agora, vai dizer não a uma solicitação de um amigo; vai dizer sim a quem não mereça sua aprovação. Você não vai negar a construção do seu caráter, pessoa boa, honesta, singela e amiga somente porque alguma pedra estava no meio do seu caminho, ou ainda está, como diria Carlos Drumond de Andrade.
Nem tampouco comungo em vê-la transformada em pólvora para acionar algum estopim, provocar sismos e emitir ondas por debaixo da Terra. Não acato a transformação. Mudança de idéia sim!
Saiba que todas as flores do futuro estão nas sementes de hoje. Se ainda não colheu os frutos desejados, apesar de semear bonança, fique onde está porque um dia você as vai colher. Olha: se você quer ser feliz um dia... Vingue! Mas se quer ser feliz a vida toda... Perdoa. Não, não estou dando conselhos. Apenas argumentando como argumentou Maquiavel ao teorizar sobre a conquista do Poder. Voltare, seu desafeto, foi quem o jogo nas mãos dos pervertidos. Tudo de ruim se diz: isso é maquiavelismo. Mas o que o grande Filósofo engendrou foi o pensamento de como a conquista do Poder se dá: 1º pelo dinheiro; 2º pela força, e 3º fazendo leis boas para o povo. Das três você escolhe uma. Eu opto pela terceira via.
O seu “Chega”, para alguns, vai soar como ameaça; para mim é simples desabafo. Você chegar a ser uma Osama Bin Laden pode até provocar medo em poucos; de minha parte a verei como uma bela pessoa e ótima profissional. Em dizer que vai explodir, serão muitos a ficar na expectativa; eu morrerei com mais de 200 anos e você sempre a le dá com crianças e jovens, ensinando o caminho a seguir.
Fique sabendo que a distância entre o sonho e a realidade chama-se trabalho, e é isso que você faz: trabalhar. Corte sua própria lenha, assim ela te aquecerá duas vezes. Que acha disso? Abra sua mente, o seu cérebro, este só funciona assim, que nem um pára-quedas, ABERTO. Tem mais: não há solução onde não há saber. Mas você é sábia e sabe que, na vida, para tudo tem uma solução, menos para a morte. E como as aventuras são feitas para quem ousa se arriscar, ouse, aventure-se, seja comedida na aventura, mas ouse!
Como você está rodeada de amigos e amigas, converse ao pé do ouvido de alguém, escolha, faça a sua terapia da amizade. Arranca do peito essa dor! Pitágoras, que você, que é Mestra, sabe mais do que eu quem foi, diz: “O homem é a medida de todas as coisas”. Portanto, não é porque uma desilusão me atingiu nesse instante que vou me transformar no inimigo nº 1 do Planeta. Bin Laden tinha os seus motivos e era bilionário. Eu não.
E o mesmo Pitágoras, genial, fala: “O homem é mortal por seus temores e imortal por seus dizeres”. Nesse particular você disse-o muito bem. Tem hora que também desejo fazer como o cantor naquela música: “Parem o mundo que eu quero descer”, por tanta falsidade, tanta maldade, tanta falta de amor. Mas como eu não sou uma ilha, tenho que seguir em frente, pois há bastante gente que depende dos meus deveres, dos meus feitos. Dos meus defeitos dependo eu. Nada mais positivo do que nós dizermos que a vida só pode ser compreendida olhando-se para trás, mas só pode ser vivida olhando-se para frente, nos ensinou Soren Kierkegaard.
Os gênios, minha amiga, nos dão cada lição. Vejamos: William Shakespeare: “Sofremos muito com o pouco que nos falta e gozamos pouco o muito que temos”. Pense nisso. Tem mais: “O único lugar aonde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário”, Albert Einstein. Imagina você que desde que a conheço ainda bem novinha, já era você trabalhando. Hoje é um sucesso, quase unanimidade no meio da nossa sociedade. E agora: “Amarás o próximo como a ti mesmo”, Epíteto. Não concordo que você vá deixar de amar alguém porque quer amar somente a você. Isso não seria egoísmo? Mas, para encerrar esta parte das melhores frases, posso lhe dizer que você, no seu ponto doutrinário, em todas as suas palavras há um pedacinho de oração, de revelação, de súplica, assim como uma contestação, uma petição ao mundo para que lhe entenda. Eu a entendo.
Vou terminar, pois isso já não é um comentário, mas um house organ, como se eu fosse uma Empresa de palavreados para analisar tão breve escrito o seu “Chega”. No Aspirina & Urubus a sua vez semanal, com toda certeza, sempre nos traz novidades, surpresas, como um despertador a nos chamar a atenção para algo do dia-a-dia. Não deixe de escrever nunca que você escreve muito bem. Mas a minha impressão, sobre o verbo chegar não está a altura da sua imaginação. Para você nesse instante, talvez, seria mais adequado uma interjeição: “Não mais”, “basta” porque estampam mais acentuadamente sua arte de se expressar. E meu poeta camarada Mário Quintana me deu uma bofetada, certa vez, na cara: “Quem pretende apenas a glória não a merece”. E você merece todas as glórias do mundo, por tudo o que você vem realizando e pelo muito que ainda vai realizar por nossa educação.

Abraço. Seu escravo e admirador.

[AUTOR CONVIDADO] William Lopes Guerra, advogado e escritor, residente em Apodi/RN, herdeiro da obra de Walter de Brito Guerra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...