01/05/2011

A vida não basta


Quem nunca, num sábado preguiçoso em frente à televisão, quis se transportar para uma daquelas realidades vividas em seriados? Recheadas de paixões, discussões, conflitos e amores, as séries são viciantes. Há quem não consiga viver sem uma.
No meu caso, demorei a aderir a esta moda e quando me rendi escolhi o seriado médico Grey’s Anatomy – todas as segundas-feiras no canal fechado Sony – como o escolhido. De início é aquela coisa... nem é carne nem é peixe, como ouvi muito minha avó dizer de algumas pessoas. Resumindo: não faz mal a ninguém. Mas bastou alguns episódios para me encantar pelo diálogo travado entre aqueles personagens. As palavras são milimetricamente pensadas... Por isso não é real. Sem falar na trilha sonora. Pronto. A trilha sonora.
Costumo acreditar que a vida seria bem mais colorida se tivesse trilha sonora. Imagine aquela cena de novela que te emocionou se não houvesse a música ao fundo. Não teria o mesmo encanto.
Em muitas situações a vontade é entrar naquele ambiente e viver tudo aquilo que estamos assistindo. Não precisa ser personagem... Pode ser expectador... mas o importante é que estamos lá. Queria muito ajudar a doutora Stevens nos momentos em que ela precisou. Quem não queria estar ao lado dela?
Mas não dá. A vida não nos permite. Mas quando nos deparamos com algumas situações entendemos que a vida real, aquela que nos faz acordar todos os dias cedo para ir ao trabalho, pode ser mais interessante. Basta cada um fazer dela a melhor coisa que já se viveu. Quanto ao interesse pela arte, é explicável. Ferreira Gullar, grande poeta, me deixou com uma frase cravada na memória: “A arte existe porque a vida não basta”. Não basta mesmo.

[Autor convidado] Esdras Marchezan é jornalista e mestre em literatura e interculturalidade. Twitter: @marchezan.

8 comentários:

  1. Valeu Marchezan,
    "Costumo acreditar que a vida seria bem mais colorida se tivesse trilha sonora." Vc não imagina como eu queria ter um trilha sonora para tudo... Mas sabe que eu tenho? Uma para a hora dos estudos, outras quando estou nos afazeres domésticos, outra quando não estou fazendo nada... (quando não estou fazendo nada? rsrsr) queria mesmo era música 24hs, sabe.
    Texto rápido, instigante e contemporâneo.
    Abraços!
    Regiane.

    ResponderExcluir
  2. Pois é....Gosto dessa ideia de trilha sonora. As cenas sem trilha ficam sem graça..Por isso queria que em alguns momentos da vida surgissem aquelas trilhas...Que bom que gostou. Obrigado pelo espaço. Cheiro

    ResponderExcluir
  3. puxa, bom te ler, esdras! eu confesso que tenho dificuldades com alguns seriados. esse eu não conheço, mas deu vontade de ver. e trilha sonora é o que há!
    um abração!

    ResponderExcluir
  4. Lembrei de outro poeta que nos ensina que "um desejo só não basta..."

    ResponderExcluir
  5. Já imaginou como seria a sua trilha sonora?
    Triste, alegre, calmo, passivo...Como seria?
    Qual seria seu seriado?
    Idealistas e sonhadores digamos que vivemos num filme com um contexto bem real. No fundo queremos sempre uma pitada de algo para melhorar a nossa vida,com um fundo dramatico ou cômico ou romantico...Somos seres criativos demais pronto para uma filmagem, fazemos caras e bocas reais, somos os melhores artistas, os mais treinados e capacitados para qualquer cena. Seja o protagonista de sua vida com uma trilha sonora bem alegre!!! e viva!!!

    ResponderExcluir
  6. A vida não basta.
    É necessário mais do que tê-la é necessário cantá-la, pintá-la, moldá-la e assim como nos seriados: reinventá-la ficticiamente.

    Minha vida tem trilha sonora sim!
    Posso até ouvi-la agora...

    O Jota capitou bem isto quando anotou "Maria Bonita" no texto Alfredo...

    E assim é.
    Tenho trilha sonora e sem ela sei que minha vida seria bem menos emocionante.

    "...viemos de outras eras semeando primaveras".

    Obrigada Esdras por seu belo texto!

    ResponderExcluir
  7. Cara,

    Compartilho do mesmo sentimento. E vejo q herdei isto da minha avó materna. Ela não apenas sente raiva dos personagens, mas dialoga com eles...Claro, eu me contenho, não tenho oitenta e oito anos de cacife para travar um dialogo real com a ficção. Mas um dia, quem sabe...rs

    Um abraço
    Prima ASS

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...