05/07/2011

Antônio nasceu e Karina também!



Professora

A meu querido J.P.R.

Quando Antônio nasceu, nem sabia que existia. Vestiram-no, com roupinhas enxovalhadas de outras crias, e lhe ensinaram a ser miúdo. Pior, que esperasse só as migalhas da vida e que não fizesse muitos planos. Afinal, sonhar alto não ficou para garotos que espetam o dedo no xique-xique. Mas, persistente e esperto como ele era, não se renderia tão fácil ao destino que lhe haviam desenhado.
Na época em que ele ainda usava fraldas, bem distante dali, Karina já andava e brincava com suas bonecas. Quase toda tarde, passeava na calçada com seu velocípede cor de rosa. Depois que aprendeu a dominar as palavras, ficou impossível que só ela! Apesar de questionadora, era fragilzinha, a pobre!
Os pequenos nasceram e cresceram em lugares diferentes, mas sempre se divertiam com a mesma lua que os vestia de delírios e devaneios. Recortavam-na. Depois, colavam a bola prateada no cantinho dos desatinos. Eles nem sabiam que ela havia sido pregada no mesmo lugar...
Antônio era o último dos rebentos e, nem por isso, faziam-lhe os quereres. Karina era a primogênita e desfilava entre a queridinha e a malcriada. Nesse tempo, Antônio só obedecia. E assim o foi, até criar as primeiras espinhas. Um dia, engrossou o pescoço e tocou sua vida com a ponta dos dedos. Dedos de menino avoado. Plantou o que não queria. Colheu o que não devia... Mal sabia ele que Karina, mesmo sem ter consciência do seu prumo, semeava a vida pros dois. Antônio tropeçou, caiu, esfolou-se todo, mas continuava na mira da mesma lua que alumiava os sonhos utópicos de Karina.
Já crescidinhos, Karina obedeceu. E Antônio desobedeceu. Foi justamente nesse contraditório que eles esbarraram a vista um no outro. Neste dia, Antônio soube por que precisava ir. E Karina, por que tinha de esperar.
Antônio, após desobedecer, entendeu que podia ser no mundo e passou a construí-lo com as suas próprias mãos. Mãos mais sólidas e seguras. Destemido, faz desenhos sobre a terra firme. Os desenhos, agora, eram só seus! Na verdade, Antônio não nasceu quando lhe cortaram o cordão, mas quando acreditou que podia extinguir toda a falta de sorte que haviam lançado sobre si. Nasceu... quando se debruçou sobre uma folha em branco e passou a escrever a sua própria história. E escreveu. E escreve.
Karina, por sua vez, percebeu que nascera quando Antônio agarrou-lhe pela mão e lhe mostrou o mundo pela força do amor que havia acumulado durante os sonhos noturnos. Noites de 4 fases.
Antônio também nasceu quando fez nascer os sonhos ocultos de Karina... (quem ninguém os saiba!)
Karina nascera para Antônio.
Antônio nascera para ser a vida de Karina.
Fim.

Não!
É aqui onde tudo começa...


Licença Creative Commons
Antônio nasceu e Karina também! de Regiane Santos Cabral de Paiva é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Vedada a criação de obras derivativas 3.0 Unported. Based on a work at www.aspirinasurubus.blogspot.com.

5 comentários:

  1. “P.Q.P.
    Um palavrão, vocês sabem qual, foi isto que saiu de minha boca assim que li mais este conto vestido de fantasia e nascido na água forte da verdade.
    Pra quem sabe também palavras são só palavras até que coloquemos nela nossa energia.
    Então o P.Q.P pode ser lido como : Catzo! SE a Reina não é escritora ninguém mais o é.

    A história de Antônio e Karina é o seu livro, minha cara Mestre em língua espanhola.
    Quer queira ou não.
    Sou fã destes personagens, os amo e os leio perfeitamente, com grande emoção.
    Não existe formulas ou regras, mas é a perfeição do encontro das mãos, que todos buscam.
    “Karina nascera para Antônio.
    Antônio nascera para ser a vida de Karina.
    Fim.
    Não!
    É aqui onde tudo começa... “
    A vida só segue seu rumo de vitórias quando entendemos isto.
    Que em algum lugar alguém espera por nós. Para sermos sua vida e para fazermos dele a nossa.

    Não é agora a hora, mas ela chegará, ainda que passe 40 anos Reina, lembre disto: escreva esta história, com calma, sem medo ou presa.
    Antonio e Karina podem influenciar dezenas de centenas de meninos e meninas nascidos na mesma circunstâncias que seus personagens.

    Nós somos dos tais que se renderam a força da vida, sem ceder as circunstâncias.
    Isto é para poucos, partilhar isto é entender a força que temos.

    Beijo Reina.”


    Eliana Klas

    ResponderExcluir
  2. Assistimos a esse filme para entender melhor as referencias desses personagens. Mas hj vejo q não precisava. Minha amada Reina é tão densa, tão pura, tão vida que dispensa qualquer nota de rodapé. Ela se explica em cada ato de amor e ternura que sai espalhando pela a vida a fora. Sorte a minha te encontrar nesta vida. Sorte maior a do Jotta. rs...
    Texto rico,magno qual a autora.
    Um enorme abraço
    lete
    prima ASS

    ResponderExcluir
  3. Olá, Regiane!
    Anda romântica, hein!
    Abraços, Gilton

    ResponderExcluir
  4. Meu Deus! E agora o que dizer diante de tão belo texto? Tudo que poderia escrevinhar aqui já foi tão bem enunciado pelas irmãs aspirinas. A mim só cabe, ler, reler, me encantar e enfim acreditar que o amor existe e atende pelo nome de Antonio e Karina.

    Parabéns, querida!

    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  5. Ser começo é melhor do que ser o fim... beijos.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...