Cheiro, você




Seu sangue tinto é vinho, ferroso cheiro da lâmina
Engoli cem sílabas do seu hálito sem mastigar o perfume de uma vogal
Cheirei sua respiração enquanto dormia, deliro a cada resfolegar
Oleosos olhos castanhos, cabelos de cachos inebriantes
O vento que beija seus caracóis entorpece e engana meus sentidos
Seus pelos mais novos ainda têm o cheiro da sua derme
Você é a última virgem, a essência, eu, um assassino
Vou mais longe e tento cheirar suas entranhas para descobrir a fórmula do amor.

[CONVIDADO] Aníbal Mascarenhas-Filho

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O amor do fundo do poço

Vá com Deus! [sujeira]

HOMEM DE PALHA [Ensaio sobre o palhaço]